Já falamos aqui sobre gratidão. E como eu preciso ser grato, como a necessidade de gratidão é tão valiosa neste mundo contemporâneo. Não é sobre gratidão que eu quero falar, é sobre ser grato e espalhar isto no
ambiente em que se vive. É sobre ser bom, justo, companheiro e ser melhor para os outros.

Ser melhor para os outros não significa ser o melhor de todos. Uma condição acaba, de certa forma, favorecendo a outra, mas jamais uma anula ou substitui a outra. Ser o melhor para os outros é uma bênção. É inundar o ambiente em que se convive com a cordialidade, o respeito e o carinho. Ser o melhor é emanar coisas boas para quem nos rodeia, fazer o bem, fazer a sua atividade com precisão e gratidão, e semear isto aos que estão a sua volta.

Ser o melhor torna-se consequência quando somos os melhores para os outros. Líder é aquele que é seguido por seus colegas por meio da seleção natural, na melhor definição darwiniana possível aqui: selecionamos os melhores por conta das características positivas, pela postura profissional, caráter e empatia. Lembre-se disso, para ser o melhor não é preciso competir com quem está na mesma linha, ou em uma raia semelhante a você.

Para ser melhor não é preciso fazer tipo, fingir uma falsa empatia, quando não se tem. Para ser o melhor é preciso respeitar, ajudar, tornar-se útil, próximo e querido dos seus. Estas são, sem dúvida, as melhores maneiras de crescer em qualquer ambiente. Ser lembrado por suas características, ser reconhecido por sua bondade, por seu coração, e no fim de tudo, por seu trabalho, é ser o melhor. Pessoas melhores, são igualmente, os melhores profissionais que conheço.

Por Marcos Aurélio Delavald,
Especialista na comunicação mediada pela plataforma digital.
Imagem: Divulgação

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.